Rios de Encontro recebe prêmio nacional e abre inscrições para cursos de verão

O projeto sociocultural Rios de Encontro celebre hoje um prêmio nacional da Brazil Foundation para realizar seu novo projeto ‘Gira-Sol: Gestão de Energias Vitais’. O único projeto cultural a ser premiado do Pará e um dos 33 projetos premiados de 784 proponentes, Gira-Sol será lançado no Festival de Verão que abre inscrições para seus cursos no dia 23 de junho.

Em Belém, onde os coordenadores do projeto estão finalizando planos com parceiros na Universidade Federal do Pará e com redes internacionais para realizar uma série de consultas públicas no segundo semestre, arte educadores Dan Baron e Manoela Souza concederam uma entrevista com o JCT para explicar o motivo e oportunidades do Festival. “Este prêmio afirma o reconhecimento nacional e internacional de Rios de Encontro como um projeto de qualidade artístico-educativa e de Cabelo Seco como uma Universidade Comunitária dos Rios”, afirma Dan Baron.

Depois de seis anos de atuação cultural, Camila Alves oferece cursos de dança no festival de verão.

Depois de seis anos de atuação cultural, Camila Alves oferece cursos de dança no festival de verão.

“Escolhemos o tema ‘Energias de Vida’ para responder a três desafios eco-sociais no coração da vida de nossa comunidade e do mundo atual: gerações cada vez mais exaustas pela vida de consumo de TV e pela falta de sono causada pelo uso noturno do celular; obesidade e passividade causadas pelos vícios de fast food, refrigerante e ansiedade sobre aumento de violência; e o que nossos jovens e mestres chamam ‘a mentira verde’, a cultura totalitária da Vale e seus políticos, promovendo a hidroelétrica de Marabá através de festa popular, propaganda em cada jornal, e ameaça a deixar quem que questiona fora do mercado. O Festival de Verão quer oferecer dança comunitária, saúde alimentar e energia solar como alternativas vitais, e convida governantes e mineradoras a escutar o povo e defender seu ‘projeto verde em rodas abertas.”

Dan Baron elogiou a coragem do Ministro de Energias no Chile pela sua decisão na semana passada de vetar a construção de uma hidroelétrica em Pagadoria, para proteger a beleza da região, a sustentabilidade do meio ambiente, e a vida dos povos ribeirinhos. “Mesmo que o edital da derrocagem do Pedral do Lourenção foi anulado por motivos técnicos, políticos ou econômicos, abriu uma espaço para o povo consultar os cientistas e insistir que os políticos tomem decisões responsáveis para seus netos”.

E depois de seis anos de formação artística com as Latinhas de Quintal, arte educadora popular Evany Valente oferece cursos de sopros e percussão.

E depois de seis anos de formação artística com as Latinhas de Quintal, arte educadora popular Evany Valente oferece cursos de sopros e percussão.

Numa conversa extensa com o Grupo de Estudos em Alternativas Energéticas na UFPA-Belém, os gestores do Rios de Encontro ficaram assustados já que nem cientistas com referências continentais foram consultados antes de iniciar as obras de Belo Monte e ou anunciar licitações para construir a Hidroelétrica no Tocantins.

“Tudo que oferecemos no festival”, complementa Manoela, “vai casar formação social, cuidado ambiental e o que todos nós queremos: alegria de bem estar! Seja um mini curso de inglês, literatura, radio-jornalismo, composição musical ou artes visuais, ou uma oficina de dança, sopros, violão, percussão ou horta medicinal, as três energias que vão gerar um verão que planta vida e coragem de questionar e se posicionar!”

“Paralelamente”, encerra Dan, “vamos lançar nosso primeiro festival de pipa e programação do Cine Coruja na rua, da nossa biblioteca e nossa bicicletadas, tudo coordenado por jovens. Jovens em Marabá são inteligentíssimos, mas muitos sao condenados a morrer cedo – de uma violência que vem de políticas devastadoras, ou lentamente, de uma vida de sonhos impostos que consomem responsabilidade social, família e comunidade. Porque o mundo ‘desenvolvido’ quer largar consumismo e substituir hidroelétricas com energia eólica e solar? O festival lançará um semestre de debate e práticas sobre propostas alternativas.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Advogando, AfroMundi, Bicicletada, CineCoruja e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s