Festival Beleza Amazônica juvenil encerra com lançamento da bici-radio solar

Manoela, Carol e Pablo colam um minidoor fora do barracão para completar a divulgação do festival dentro da comunidade Cabelo Seco.

Manoela, Carol e Pablo colam um minidoor fora do barracão para completar a divulgação do festival dentro da comunidade Cabelo Seco.

O 3° Festival Beleza Amazônica encerrou no domingo, dia 14 de dezembro, com a bicicletada ‘Deixe o Nosso Rio Passar’ e o lançamento da ‘bici-rádio solar’. Apesar de uma madrugada de chuva forte, os jovens do projeto Rios de Encontro que idealizaram a bici-rádio conseguiram mobilizar 60 crianças, jovens e pais de Cabelo Seco para pedalar, celebrando quatro dias de debate e mostras artísticas do festival. Beleza Amazônica destacou jovens como arte educadores, produtores e protagonistas da construção de um novo mundo seguro, transparente e sustentável.

Jessica Ertel, Renato Cavalcante (UFPA) e jovens coordenadores Évany Valente, Carol Sousa e Pablo Sousa apresentam a primeira bici-radio solar no mundo, frente a instalação 'Deixa o Nosso Rio Passar' na Galeria do Povo na pracinha de Cabelo Seco.

Jessica Ertel, Renato Cavalcante (UFPA) e jovens coordenadores Évany Valente, Carol Sousa e Pablo Sousa apresentam a primeira bici-radio solar no mundo, frente a instalação ‘Deixa o Nosso Rio Passar’ na Galeria do Povo na pracinha de Cabelo Seco.

“O 1° Festival Beleza Amazônica em 2012”, explicou Carolayne Valente, jornalista social e cantora com as Latinhas de Quintal desde sua formação em 2009, “foi a celebração da identidade afrodescendente do bairro matriz de Marabá. Este primeiro festival inventou a ‘bicicletada pela vida’ em protesto contra o assassinato de Everton Sousa, amigo do projeto, e levou nossas propostas artísticas a outras comunidades populares. A bicicletada virou uma marca municipal e nacional e gerou um novo micro-projeto”.

“A marca do 2° Festival em 2013 foi nossa grande caravana artística que levou oficinas, a biblioteca familiar ‘Folhas da Vida’, músicas do CD ‘Amazônia Nossa Terra’ e ‘Raízes e Antenas’, primeiro espetáculo da Cia de Dança, AfroMundi, aos cantos mais esquecidos, excluídos e violentados do próprio bairro de Cabelo Seco, e a Universidade Federal em Marabá, o município de Nova Ipixúna e o Shopping Marabá.”

“A marca deste 3° Festival,” continua Carolayne, “é nos jovens como arte-educadores e pesquisadores culturais, coordenadores dos nove micro-projetos do Rios de Encontro. Apresentamos as frutas de nosso tema de 2014, ‘energias de vida’ que fomentou cursos de verão, oficinas e novos experimentos artísticos em volta de energia solar, alimentos saudáveis e pedagogias artísticas”.

Mais de 600 pessoas participaram na primeira noite do festival, integrada na XIII Mendonça Cultural da EMEF escola José Mendonça Vergolino. O projeto eco-cultural e socioeducativo Rios de Encontro e o Municipal se juntaram numa afirmação de uma educação formal enraizada nas sabedorias das culturas populares, em particular, suas artes, rumo a Escola Sustentável e uma sociedade multicultural. Zequinha Sousa, diretor musical do Rios de Encontro, lançou o 3° Festival Beleza Amazônica no auditório lotado da escola, cantando com a plateia a música que inspirou os 540 participantes das 24 oficinas de artes integradas, realizadas no projeto Cultura Viva Comunitária, dos Ministérios da Cultura e da Educação.

Professora Laudelina anuncia uma apresentação teatral acadêmica na Mendonça Cultural e abertura do Beleza Amazônica que valoriza sabedoria indígena e cuidado ambiental. Os governos federal e estadual nāo entendem o consenso popular e reflexos culturais aqui em Marabá sobre a preservação da Amazônia.

Professora Laudelina anuncia uma apresentação teatral acadêmica na Mendonça Cultural e abertura do Beleza Amazônica que valoriza sabedoria indígena e cuidado ambiental. Os governos federal e estadual nāo entendem o consenso popular e reflexos culturais aqui em Marabá sobre a preservação da Amazônia.

Manoela Souza, parte da coordenação da colaboração, ficou impressionada com a qualidade das exposições na feira. “Os alunos e professores criaram uma instalação tão lúcida, criativa e inteligente, dos cinco anos que explicou reciclagem, cuidado com a identidade amazônica e sustentabilidade, com cantos, danças e encenações! Mostrou que há um consensos popular sobre a necessidade de conservar e defender Amazônia da exploração atual que a ameaça”. A feira foi embelezada por apresentações de dança pela Cia AfroMundi, do novo micro-projeto ‘Ruas Dançantes’ e do projeto ‘Dançarte’, e uma oficina infantil de pintura de rostos, ministrada pela biblioteca ‘Folhas da Vida’.

Carol, uma dos coordenadores de Folhas da Vida, ministra a oficina de pintura de rosto durante a primeira noite do festival, na Mendonça Cultural.

Carol, uma dos coordenadores de Folhas da Vida, ministra a oficina de pintura de rosto durante a primeira noite do festival, na Mendonça Cultural.

Na noite da sexta-feira dia 12 de dezembro, o festival realizou uma roda no Barracão de Cultura em Cabelo Seco sobre ‘segurança ecosocial’ com convidados especiais Capitão Edinei da Policia Militar e Renato Cavalcante, o pesquisador em energia solar da Universidade Federal. Coordenado por Dan Baron do Rios de Encontro e Carolayne Valente, a roda integrou 40 participantes de quatro gerações através de novos vídeos que afirmaram a parceira inovadora da Policia Militar na bicicletada do dia 22 de novembro, ‘Eu Sou Amazônia’.

Jovens participam numa  roda de conversa sobre segurança ecosocial popular no Barracāo de Cultura em Cabelo Seco.

Jovens participam numa roda de conversa sobre segurança ecosocial popular no Barracāo de Cultura em Cabelo Seco.

A roda Iniciou com dois vídeos curtos sobre energia solar e um vídeo que documenta a atuação dos jovens do Rios de Encontro como arte educadores na escola inteira do Municipal. “O Comandante iniciou a conversa,” disse Dan Baron, “confessando que a PM não tem uma solução para lidar com a violência atualmente abalando a sociedade e suas instituições, e declarando seu desejo de escutar e avançar junto com a comunidade. Jovens violentados e pais que perderem filhos se manifestaram com sensibilidade e clareza.”

Dan Baron continuou: “Lentamente, a conversa discutiu o potencial da energia solar para cultivar uma alfabetização ecológica, cuidado ambiental e responsabilidade comunitária. Conseguimos enxergar um projeto de segurança eco-social e popular. Foi um passo corajoso na construção de uma nova confiança entre jovens e policias que sofrem as conseqüências trágicas de um modelo imposto de desenvolvimento violentador.”

Carol, Jessica, Évany e Pablo montam a bici-rádio sob a supervisão do Renato Cavalcante do GEDAE (UFPA-Belém), na manha antes da festa.

Carol, Jessica, Évany e Pablo montam a bici-rádio sob a supervisão do Renato Cavalcante do GEDAE (UFPA-Belém), na manha antes da festa.

Na manha do sábado, três jovens de Cabelo Seco da oficina de energia solar do projeto Gira-Sol, montaram uma ‘bici-rádio solar’ com professor Renato Cavalcante, gestionada pela jovem pesquisadora norte americana, Jessica Ertel. “Parece que inventamos a primeira bici-rádio solar,” empolgou Evany Valente, coordenadora do Cine Coruja, percussionista das Latinhas de Quintal e pesquisadora no projeto ‘Minha Diaspora Musical’. “Queremos divulgar, demostrar e sensibilizar nossa comunidade e a cidade para intervir no projeto da Usina Hidrelétrica Marabá, e motivar um debate sobre energia solar como alternativa barata e viável. Uma placa móvel tem esta capacidade popular provocadora.”

AfroMundi Juvenil dança carimbo na Pracinha de Cabelo Seco, dirigida pela jovem coreógrafa Camylla Alves.

AfroMundi Juvenil dança carimbo na Pracinha de Cabelo Seco, dirigida pela jovem coreógrafa Camylla Alves.

A bici-rádio solar divulgou a mostra das artes gestionada, produzida e realizada pelos jovens coordenadores, na mesma noite na pracinha de Cabelo Seco, e ficou ao lado do palco como instalação eco-cultural. Co-apresentada pela gestora cultural Manoela Souza e a jovem jornalista Carolayne Valente, um público comunitário de 140 pessoas testemunhou quatro novas coreografias de dança coordenadas por Camylla Alves da Escola AfroMundi e uma coordenada por Matheus Sá, do novo projeto ‘Ruas Dançantes’.

Cantora das Latinhas de Quintal, Carolayne Valente, apoia Zequinha Sousa e sua roda juvenil 'Violões da Vida' no palco do Festival Beleza Amazônica.

Cantora das Latinhas de Quintal, Carolayne Valente, apoia Zequinha Sousa e sua roda juvenil ‘Violões da Vida’ no palco do Festival Beleza Amazônica.

Jovem coordenadoras Elisa Neves e Carol Sousa do novo projeto ‘Roupas ao Vento’ contra a violência contra mulheres, Rafael Varão da biblioteca familiar ‘Folhas da Vida’, Evany Valente do novo projeto de pesquisa ‘Minha Diaspora Musical’, Sandoval Maia do novo projeto ‘Radio Arraia’ e Jessica, Evany, Carol e Pablo Diego compartilharam reflexões, intercaladas por videos do Coletivo Rabetas Videos. “Aqui, temos os projetos do futuro de Cabelo Seco”, celebrou Manoela Souza, “integrados, unidos e abastecidos pela energia solar. Como disse nosso Radio Arraia, fica ligado! Acredita num futuro popular alternativo!”

Cia Afromundi estreia o novo espetáculo 'Lágrimas Secas' no festival Beleza Amazônica como pesquisa em progresso.

Cia Afromundi estreia o novo espetáculo ‘Lágrimas Secas’ no festival Beleza Amazônica como pesquisa em progresso.

A noite das artes encerrou com ‘Lágrimas Secas’, o novo espetáculo da Cia de Dança, AfroMundi, fruto da pesquisa do ano 2014. “Mostramos as conseqüências trágicas da hidrelétrica e devastação da Amazônia”, explica Camylla Aves, “quando os rios morrem e pegam fogo. Porem não dramatizamos um futuro trágico e pessimista. Lágrimas sábias renovam o Rio Tocantins, propondo que uma nova sensibilidade ambiental e reflexiva é possível e possa transformar o atual projeto ‘ecocidal’ dos governantes em um de vida sustentável.

Novas coordenadoras da bicicletada surgem dos projetos de dança, violāo e biblioteca, se embelezando e embelezando bicicletas para representar energia solar.

Novas coordenadoras da bicicletada surgem dos projetos de dança, violāo e biblioteca, se embelezando e embelezando bicicletas para representar energia solar.

No domingo, dia 14, depois de uma forte chuva, crianças de Cabelo Seco lideraram a última grande bicicletada do ano, ‘Deixa o Nosso Rio Passar’, lançando a bici-radio solar da Radio Arraia. Acompanhada pela Policia Militar, a bicicletada anunciou o tema de 2015, ‘segurança ecosocial popular’, a ser aprofundado com a escola parceira Jose Mendonça Vergolino e apresentado em New York no final de abril de 2015.

Anúncios
Esse post foi publicado em Advogando, AfroMundi, Bicicletada, Cine Coruja, Folhas da Vida, Gira-Sol, Latinhas de Quintal, Minha Diaspora Musical, Rabetas Videos, Residências, Roupas ao Vento, Sopros de Quintal, Universidade Comunitaria dos Rios. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s