Rios de Encontro se reinventa no Festival de Verão

Rerivaldo realiza sua primeira oficina áudio-visual de formação com Carol, co-coordenadora do Cine Coruja e Roupas ao Vento, para formar uma equipe de documentação do festival.

Rerivaldo realiza sua primeira oficina áudio-visual de formação com Carol, co-coordenadora do Cine Coruja e Roupas ao Vento, para formar uma equipe de documentação do festival.

Lançamos nosso oitavo ano e novo ciclo com nosso segundo Festival de Verão, ‘Sou Glocal’. A semana de intervenções culturais, ações artísticas, rodas, oficinas e diálogos internacionais, abre no dia 25 de julho com uma grande Bicicletada ‘Deixa-Me Passar!’, e encerra com a segunda ‘Festa da Pipa Solar’ no sábado, dia 01 de agosto.  

Coordenadores da biblioteca comunitária 'Folhas da Vida' Carol e Rafael idealizam a 'Aldeia Criativa de Leitura Infantil' que vai ter um destaque no festival 'Sou Glocal'.

Coordenadores da biblioteca comunitária ‘Folhas da Vida’ Carol e Rafael idealizam a ‘Aldeia Criativa de Leitura Infantil’ que vai ter um destaque no festival ‘Sou Glocal’.

Desde a turnê que levou 15 integrantes do Projeto para apresentar os espetáculos ‘Deixa Nosso Rio Passar!’ e ‘Lágrimas Secas’ em New York e culminou no Pátio Shopping e Cabelo Seco, os jovens artistas e arteducadores do ‘Rios de Encontro’ passaram os últimos meses num processo de reflexão, consulta e planejamento criativo. “Depois de 24 apresentações e 84 oficinas, tudo em três semanas,”, conta Dan Baron, “precisávamos respirar fundo. Voltamos com uma perspectiva claríssima mas um pouco pesada sobre o significado mundial de Marabá e de cada uma de nossas ações e decisões. Precisávamos nos distanciar para imaginar como integrar tanta experiência no nosso palco de Cabelo Seco!”.   

Camylla Alves e Lorena Melissa adaptam a obra 'Lágrimas Secas' para uma plateia internacional da Festa das Artes 'Somos as Américas', durante o festival.

Camylla Alves e Lorena Melissa da Cia AfroMundi adaptam a obra ‘Lágrimas Secas’ para uma plateia internacional da Festa das Artes ‘Somos as Américas’, durante o festival.

Dan Baron explica. “Na primeira noite de histórias e sonhos na Pracinha de Cabelo Seco em abril de 2009, ninguém poderia ter imaginado que, sete anos depois, crianças condenadas a viver chacinas de jovens e cercadas por preconceito iam ganhar um prêmio mundial. Porém o ganhamos não somente como artistas e arte educadores, mas como embaixadores amazônicos, e recebemos as mesmas perguntas em cada escola que visitamos: o que fazer para ajudar a preservar Amazônia? e porque Marabá está tão passiva diante a iminente violação do Rio Tocantins e destruição do equilíbrio da Amazônia? O tema de nosso festival de verão, ‘Sou Glocal’, afirma nossa consciência que nossa vida local tem impactos globais, e como o mundo impacta em nossa vida. Cada  postagem no celular mostra isto! Mas não reconhecemos que hoje, nós em Marabá influenciamos o mundo, até a nossa passividade. Depois de meses de diálogo entre nós e com velhos e novos parceiros, temos uma resposta!”.  

Elisa, Carol e Camylla idealizam a participação de 'Roupas ao Vento'  contra a violência contra mulheres, para o festival.

Elisa, Carol e Camylla, coordenadoras do projeto premiado, idealizam a participação de ‘Roupas ao Vento’ (contra a violência de mulheres), para o festival.

O Festival de Verão 2015 afirma os focos principais que vão guiar as ações e colaborações com as escolas, comunidades e universidades, no próxima semestre, sempre com o duplo-foco local e mundial: alfabetização eco-cultural, ação cultural comunitária e economia sustentável. “Porém, temos quatro questões urgentes que estão bem presentes na nossa vida que vão permear tudo,” continua Dan, “sexualidade juvenil, vida celular, criatividade infantil e coragem indígena. Cada uma destas questões é cercada com preconceito, medo e silêncio, e todas vão influenciar a questão mais urgente na vida glocal de cada um de nós hoje: virar as costas ou preservar o Rio Tocantins?”.  

Rafael leva a bici-rádio solar na rua para divulgar o cine. Pode casar ela com a biblioteca infantil?

Rafael leva a bici-rádio solar na rua para divulgar o cine. Pode casar ela com a biblioteca infantil?

O festival ‘Sou Glocal!’ oferecerá Oficinas de violão, dança, televisão comunitária, mosaico juvenil, animação, e biomedecina, e Rodas de dança afro-contemporânea, desenhos animados, vídeos sobre Amazônia (abordando sexualidade, mídia e ação juvenil), e conversa sobre Cuidado Comunitário (segurança, fisioterapia, escola e energia solar). Vai ter quatro grandes ações nas ruas, abertas a todos: a Bicicletada ‘Deixa-Me Passar!’ (dia 25), a ‘Aldeia Criativa de Leitura Infantil’ (dia 29), a Festa das Artes ‘Somos as Américas!’ (dia 31), a Festa de Pipa Solar (dia 01).

Camylla Alves implora Rafael Varão e os outros jovens permanecerem na sua comunidade de Cabelo Seco, no espetáculo 'Deixa o Nosso Rio Passar!', apresentado no Teatro de Cabelo Seco, 25 maio de 2015. Vamos assistir o espetáculo durante o festival?

Camylla Alves implora Rafael Varão e os outros jovens permanecerem na sua comunidade de Cabelo Seco, no espetáculo ‘Deixa o Nosso Rio Passar!’, apresentado no Teatro de Cabelo Seco, 25 maio de 2015. Vamos assistir o espetáculo durante o festival?    

 

 

 

 

 

A programação do Festival de Verão ‘Sou Glocal’ 2015 será divulgada a partir deste final da semana.

Anúncios
Esse post foi publicado em Advogando, AfroMundi, Bicicletada, Cine Coruja, Folhas da Vida, Gira-Sol, Rabetas Videos, Roupas ao Vento, Universidade Comunitaria dos Rios. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s