Encerramos 2015 com ‘Nascente em Chamas’ em solidariedade com Mariana

Mariana descobre que o futuro é morto, em 'Nascente em Chamas'.

Mariana descobre que o futuro é morto, em ‘Nascente em Chamas’.

No sábado, 19 de dezembro, a jovem dançarina-coreógrafa Camylla Alves, co-fundadora da Cia AfroMundi e do projeto sociocultural Rios de Encontro, estreiou o novo espetáulo de dança amazônico-contemporânea no palco da Praça do Artista, no Centur, em Belém, diante uma plateia de 240 artistas, gestores.

Mariana volta à Cabelo Seco em Marabá depois de uma década forá, incapaz de reconhecer seu bairro ribeirinho.

Mariana volta à Cabelo Seco em Marabá depois de uma década fora, incapaz de reconhecer seu bairro ribeirinho.

A equipe Camylla Alves, Dan Baron (diretor artístico) e Manoela Souza (gestora cultural), foi contemplada com o Prêmio ‘Projetos Artísticos 2015’, do Programa de Incentivo à Arte e à Cultura (SEIVA) da Fundação Cultural do Estado do Pará, para criar ‘Nascente em Chamas’ poucos dias antes do acontecimento da tragédia ecológica e social, mas é fruto de mais de seis meses de pesquisa sobre a relação entre a memória e a respiração da terra, e a seca atual, realizada em Cabelo Seco em 2015.

Mariana cai na memória viva numa rachadora na orla e vivencia o estrupo das mulheres indígenas que cultivou séculos de auto-ódio, vergônha, dessensibilização, cumplicidade e descuido na Amazônia e no Brasil.

Mariana cai na memória viva numa rachadura na orla e vivencia o estrupo das mulheres indígenas que cultivou séculos de auto-ódio, vergonha, dessensibilização, cumplicidade e descuido na Amazônia e no Brasil.

‘Nascente em Chamas’ dá continuidade a dois projetos colaborativos de pesquisa e criação nos últimos 05 anos, que culminaram em ‘Raízes e Antenas’ (2013) e ‘Lágrimas Secas’ (2014). No primeiro, uma jovem bailarina de repente escuta as vozes ameaçadas da Mãe Terra nas dobras de uma roupa tradicional abandonada, que dialogam com as suas raízes afro-descendentes adormecidas. No segundo, a vida evoluída ribeirinha está de repente chacoalhada violentamente por forças industriais. Tanto esta vida, como as lendas do rio pegam fogo, e tudo seca até a própria nascente.

Mariana vivencia a história feminina oculta da Amazônia e começa a entender a seca atual.

Mariana vivencia a história feminina oculta da Amazônia para entender a seca atual.

Nesta terceira colaboração, ‘Nascente em Chamas’, Camylla Alves e Dan Baron afirmam que ainda cercados por rios em chamas, temos tempo. Numa manhã escurecida, a dançarina Mariana volta às ruas onde se criou para se despedir de sua avó. Perdida no seu bairro ‘revitalizado’, ela desce à margem do Rio Tocantins, coberto de fumaça, lutando para respirar, para acertar seu caminho. Quando as margens pegam fogo, Mariana se refugia dentre do rio, criando uma personagem que vira alerta poético mundial.

A escrava Mariana se joga ao horizonte afro-descendente em vão.

Na rachadura, na sua chegada ao Brasil, a escrava Mariana se lança ao horizonte afro-descendente.

“Inspirada por artistas plásticos e cantoras africanas, e lendas indígenas amazônicas”, explicou Dan Baron depois da apresentação ao público em Belém, “Camylla se transforma em uma sobrevivente e contadora de histórias cega do futuro. Mas neste espetáculo, encontramos uma narrativa e linguagem de dança bem mais poéticas, capazes de relacionar a cicatrização do povo afro-descendente com a proteção dos rios amazônicos, ameaçados pelo modelo de desenvolvimento que causou a tragedia de Mariana. A Camylla mostrou uma coragem artística e profundidade de interpretação excepcional, que cativaram a platéia durante o solo inteiro.”

Mariana é chamada pela Mãe Terra para se reconhecer.

Mariana é chamada pela Mãe Terra para se reconhecer.

“Me sinto super-realizada”, disse Camylla, depois da apresentação, “sabendo que estamos levando nossa cultura amazônica e contemporânea à capital. Me desafiou muito, mas quando me cobri com argila, coberta de lama, me transformando em rio entoxicado e sobrevivente dando luz para resgatar o futuro morto, senti o poder da dança de sensibilizar, explicar e motivar! Agora, queremos levar ‘Lágrimas Secas’ e ‘Nascente em Chamas’ à Altamira e Santarém, escutar histórias das comunidades ribeirinhas que estão sofrendo Belo Monte, e logo em seguida, apresentar o novo espetáulo aqui em Marabá. Temos que revitalizar os debates aqui!”.

Mariana planta sementes de cicatrização.

Mariana planta sementes de cicatrização.

Mariana dramatiza a seca para um clip de intervenção que ela vivenciou na beira do Rio Tocantins.

Mariana vivencia a seca na beira do Rio Tocantins.

Delirando em busca de água, Mariana se banha na lama de um rio assassinado, para escapar a violência da seca.

Delirando em busca de água, Mariana se banha na lama de um rio assassinado, para escapar a violência da seca.

Ainda deliriando, Mariana puxa e agarra o rio para salvar a vida de um nenê abandonado.

Ainda delirando, Mariana puxa e agarra o rio para salvar a vida de um nenê abandonado.

Mariana renasce o nenê morto na beira do rio.

Mariana renasce o nenê morto na beira do rio.

Mariana percebe acorda e percebe que o rio e o nenê são tecido, e decide transformar sua viagem em intervenção poéica.

Mariana acorda e percebe que o rio e o nenê são apenas um tecido, e decide transformar sua viagem em intervenção poéica.

Maria transforma o selfie em clip de intervenção e oferece seu celular à plateia no final de 'Nascente em Chamas'.

Maria transforma o selfie em clip de intervenção e oferece seu celular à plateia no final de ‘Nascente em Chamas’.

Camylla Alves e Dan Baron vão levar ‘Nascente em Chamas’ à Nova Zelândia e Hong Kong já nos primeiros meses de 2016, para lançar o tema do novo ano ‘Redes de Criatividade’

Anúncios
Esse post foi publicado em AfroMundi, Gira-Sol, Universidade Comunitaria dos Rios. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Encerramos 2015 com ‘Nascente em Chamas’ em solidariedade com Mariana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s